You are here

Confira o Line-up do Lollapalooza 2019 e seus destaques femininos

O line-up do Lollapalooza 2019 é bem dividido entre rock, rap e eletrônico. O festival chega à oitava edição no país e ocorrerá em três dias, um dia a mais do que a última edição. No ano passado tivemos a presença internacional ilustre de Alison Wonderland e da brasileira Devochka sendo a única DJ mulher do país a tocar no MainStage. Neste ano teremos Groove Delight (Ké Fernandes) representando o Brasil domingo dia 7/4 no palco do LollaBR.

As atrações para a nova edição do evento já foram divulgadas oficialmente, e grandes artistas da música nacional e internacional estão confirmados com destaque para o time feminino.

Veja o line-up completo:

  • Arctic Monkeys
  • Kendrick Lamar
  • Kings of Leon
  • Tribalistas
  • Post Malone
  • Lenny Kravitz
  • Sam Smith
  • Twenty One Pil0ts
  • Tiësto
  • The 1975
  • Dimitri Vegas & Like Mike
  • Steve Aoki
  • Macklemore
  • Letrux
  • Interpol
  • Odesza
  • Greta Van Fleet
  • Snow Patrol
  • Vintage Culture
  • Years & Years
  • Foals
  • Gabriel, O Pensador
  • Kshmr
  • St. Vincent
  • Silva
  • Bring Me The Horizon
  • Rl Grime
  • Zhu
  • Bk’
  • Don Diablo
  • Portugal. The Man
  • Fisher
  • Rashid
  • Troye Sivan
  • Rüfüs Du Sol
  • Chemical Surf
  • Kungs
  • Jorja Smith
  • Dubdogz Feat. Vitor Kley
  • Lany
  • Illusionize
  • Bruno Be
  • Valentino Khan
  • Loud Luxury
  • Gta
  • Gryffin
  • Scalene
  • Liniker E Os Caramelows
  • Groove Delight
  • Dashdot
  • Elekfantz
  • Bhaskar
  • Autoramas
  • Kvsh
  • Pontifexx
  • Aláfia
  • Liu
  • Carne Doce
  • Luiza Lian
  • Maz
  • Duda Beat
  • Jain
  • The Fever 333
  • Catavento
  • Molho Negro
  • The Inspector Cluzo

Conheça o perfil das artistas femininas:

 

Groove Delight

Foto: Reprodução/Internet

Groove Delight é o projeto por trás da expressiva paulista Ké Fernandes. Autodidata,
determinada e carismática, a jovem DJ e produtora consegue imprimir em suas
apresentações sensibilidade artística feminina em companhia de uma forte identidade
musical.

Mesclando influências como Electro, Techno, Rock, New Wave e House suas produções
autorais resultam em sonoridades próprias e características.

Com shows emocionantes onde a principal ordem é se divertir, Groove Delight mostra
porque é uma das djs e produtoras mais relevantes para a cena.

 

Jorja Smith

Foto: Reprodução/Internet

Tudo começou em janeiro de 2016, quando Jorja Smith enviou "Blue Lights" para o Soundcloud, seu single de estreia. Escrita depois de assistir a videoclipes de Dizzee Rascal enquanto fazia uma pausa em sua dissertação A-Level (intitulada: O pós-colonialismo ainda está presente na Grime Music) a música foi inspirada nas situações hostis que jovens negros estavam enfrentando todos os dias, não apenas em sua cidade local de Walsall, mas em todo o mundo. Ele explodiu inesperadamente, ganhando o elogio de Skrillex e Stormzy, antes de ser incluído no programa de rádio OVO de Drake. Desde então, Jorja criou um nome para ela como a compositora de R & B mais empolgante da Grã-Bretanha, com um talento magistral para criar melodias que fazem você se sentir como se estivesse em qualquer lugar de um clube de jazz parisiense esfumaçado. Seus dois singles mais recentes, "On My Mind" (feat Preditah) e "Let Me Down" foram testemunho de sua versatilidade. O primeiro é um número do clube com vagas de garagem que vem com um vídeo apresentando a comédia britânica de culto Kurupt FM. Enquanto "Let Me Down" (que estreou no programa Beats 1 de Zane Lowe) é uma fatia de beleza vocal efervescente, com uma característica do homem do momento, Stormzy. No ano passado, ela ficou em quarto lugar no Sound of 2017 da BBC, e este ano recebeu o prêmio Brit Awards Critics 'Choice e se apresentará ao vivo no" The Brits Are Coming ". Ela visitou o planeta, apoiando Bruno Mars nos EUA e esgotou suas manchetes de Shepherd's Bush Empire duas vezes. E enquanto a maioria dos adolescentes em Londres está gastando seu tempo indo para o trabalho ouvindo Drake, Jorja está colaborando com a megastar de Toronto em Get It Together, participando de seu projeto More Life, e se apresentando como convidado especial em seus shows no Reino Unido. Tudo isso para uma mulher de apenas 20 anos e cujo álbum de estréia está previsto para sair ainda este ano.
Jorja cresceu na cidade industrial de Walsall em West Midlands. Seus pais eram musicais, e a BBC Radio 1Xtra estava constantemente tocando na cozinha, tocando clássicos da linha de baixo como "Heartbroken", de T2, enquanto ela fazia o dever de casa. Encorajada pelos pais, começou a tocar teclado aos 8 anos de idade e aprendia a cantar clássica no ensino secundário. É algo que ainda a influencia agora, e você pode ouvi-la na vasta gama de sua voz ou em certos momentos como as harmonias de abertura do coral de "Something in the Way". Sua mãe é uma joalheria, e seu pai - que é de origem jamaicana - foi cantor e compositor da banda de neo-soul 2nd Naicha. Quando ela terminou uma demonstração de "Blue Lights", ela desceu correndo e tocou para ele. "Boa música, boas letras", ele disse: "Agora, vá para a cama".
Os verões, quando adolescentes, passavam flutuando pela cidade nos carros de seus amigos, suas memórias fragmentadas eram permeadas pelos sons do canal laranja de Frank Ocean e do Rap Rapid Acid Rap, que passava pelo aparelho de som. Mal sabia ela que muitos anos depois (em dezembro de 2017) ela estaria no Metropolis Studios gravando uma cobertura de balada do Frank "Lost" como uma sessão do Spotify, incendiando a internet no processo.
Do banco de trás daquele carro, ela ouvia as amigas falarem sobre outras metades, palavras doces e corações quebrados, e cultivá-las em idéias para futuras canções. Todas as músicas que apareceriam em seu EP de estréia foram escritas durante esses anos de adolescência. Ela ficou intrigada com Londres, suas ideias coloridas pela letra de "LDN" de Lily Allen, que pintou a cidade como uma espécie de país das maravilhas agridoce. Ela conheceu seu empresário aos 16 anos depois que ele viu vídeos de suas capas no YouTube, e logo ela começou a fazer viagens regulares à capital para conhecê-lo e trabalhar no estúdio com Maverick Saber e Ed Thomas. Ela finalmente tornou a mudança permanente, transferindo seu trabalho na Starbucks em Walsall para Londres, e se escondendo no quarto de hóspedes de sua tia e tio. Ela estaria no ônibus às 5 da manhã todos os dias para seus turnos da manhã no Starbucks, atravessando a ponte de Waterloo e observando a cidade nas horas antes do sol nascer, LP1 por fka Twigs tocando em seus fones de ouvido. Para Jorja, o mais importante na música é a letra. Ela sempre foi fascinada pela maneira como Nas olhou para o mundo e como Amy Winehouse conseguiu falar a verdade dos mais profundos recessos de seu coração. "Tenho priminhos que me admiram", sorri Jorja Smith. "Eu cresci ouvindo artistas honestos como Amy, não coisas rudes ou vulgares. Eu quero ser essa figura honesta para as pessoas.
"Beautiful Little Fools" (que foi lançado no Dia Internacional da Mulher) é um exemplo perfeito disso. É inspirado em uma citação de The Great Gatsby, de F Scott Fitzgerald: "Espero que ela seja uma tola - essa é a melhor coisa que uma mulher pode ser neste mundo, uma linda idiota". A música explora as maneiras pelas quais as expectativas das mulheres são moldadas não pelas próprias mulheres, mas pelas demandas da sociedade e da mídia. É uma música que é tão suave quanto um grito de rally.
Em 2018, Jorja fará sua primeira turnê completa nos EUA, que incluirá uma parada no Coachella, e um teaser especial incluído no programa de sucesso da HBO, Insecure (o show já contou com três músicas de Smith no ano passado). ). Mais importante, o aguardado álbum de estreia está pronto. Com músicas escritas principalmente entre as idades de 16-19, é uma exploração juvenil de amor e raiva, mas também um álbum sobre autodescoberta. "Eu gosto de 2018", diz Jorja. Por quê? "Porque o que 2 mais 0 mais 1 mais 8 são iguais? Onze. Qual é o meu número favorito no mundo. Então, acho que é para ser.

 

St. Vincent

Foto: Reprodução/Internet

"Todo álbum que eu faço tem um arquétipo", diz Annie Clark, também conhecida como St. Vincent. "MASSEDUCATION é diferente, é todo em primeira pessoa. Você não pode verificar, não é uma entrada no diário, mas se você quiser saber sobre a minha vida, ouça este disco. "
Trabalhando com o co-produtor Jack Antonoff, St. Vincent criou uma declaração de definição com MASSEDUCTION. Por mais ambicioso e ao mesmo tempo acessível, o álbum ganhou marcos críticos e comerciais, levando St. Vincent nos top 10 dos EUA e do Reino Unido, chegando à primeira posição das listas de melhores de 2017 de Jon Pareles do The New York Times e The Guardian - e se destacando no ranking de fim de ano do The AV Club, do Billboard, do Entertainment Weekly, do Mashable, do New York Daily News, do NME, Noisey, Paste, Pitchfork, Q, Stereogum, USA Today e muito mais.
O disco é baseado em "New York", uma canção íntima nascida de uma mensagem de texto que se tornou uma carta de amor para o homônimo e uma elegia para aqueles que se mudaram e em contraste com "Los Ageless", que pinta uma absurda realidade através de um prisma de autoconsciência externa.
A MASSEDUCTION estabelece ainda a posição do vencedor do Grammy Melhor Álbum Alternativo de 2014 como uma das presenças mais inovadoras e enigmáticas da música moderna. Fora de gravação e performance, St. Vincent fez sua estréia na direção com o curta-metragem de terror The Birthday Party e recentemente lançou a segunda edição de sua guitarra Ernie Ball Music Man.

 

Jain

Foto: Reprodução/Internet

Com apenas 24 anos, Jain entra na indústria da música com um estilo simples e inocente, mas único. Suas músicas mostram uma mistura de culturas e percussões tropicais, blues, pop, rock e toques eletrônicos. Tendo vivido em França, África, Dubai e outros países árabes, Jain representado em suas reminiscências da música de seu passado, a partir de experiências com o Sr. Flas, um programador musical brilhante que o ensinou a criar batidas em seu pequeno estúdio em Pointe-Noire.

A mente aberta de Jain lhe permitiu sintetizar reggae com eletrônica, fazer dança poética, reminiscências árabes, pop, rock, falar sobre encontros impossíveis, viagens, desenraizamentos e mudanças. Embora aberto a todos os tipos de música, Jain reconhece ter uma fraqueza pela música electro-africana.

'Come', o primeiro single dessa jovem cantora, é uma música provocativamente rítmica que enfeita você com a criatividade do seu vídeo através de ilusões de ótica e efeitos especiais.

 

Luiza Lian

Foto: Reprodução/Internet

Cantora, compositora e artista visual Luiza Lian é uma das vozes mais fortes e singulares da nova cena independente brasileira.

Explorando em suas composições e performance o transe, a espiritualidade e o feminino, a cantora atualiza o tropicalismo em uma atmosfera eletrônica que mistura a tradição com a realidade urbana de São Paulo.

Trazendo forte repertório visual, o show de Luiza é extremamente performático e sensível sendo reconhecido entre os melhores de 2017 pela APCA e WME.

Azul Moderno (2018), seu novo disco, é um passo além na sua trajetória, e as relações de Luiza com um passado ancestral parecem mais refletir sobre a influência deste passado no presente e futuro do que na própria história.

Nos beats, samplers e produção do seu parceiro Charles Tixier, timbres orgânicos e sintéticos formam uma sonoridade extremamente diversificada.

Azul Moderno é brasileiro e internacional, novo com gosto de antigo - do violão de Jorge Ben a um samba-reggae eletrônico, de um lamento trip hop espiritual à uma bossa-grime sensual, um chillwave manhoso ao tecno-afoxé que inicia o disco, tudo convivendo num imenso país das maravilhas em que Luiza passeia curiosa e decidida na mesma medida.

 

Duda Beat

Foto: Reprodução/Internet

Sintetizadores cremosos, graves pulsantes, beats apaixonados e muita, mas muita sofrência mesmo: tudo isso está presente no disco de estreia da cantora e compositora Duda Beat,
“Sinto Muito”. Natural do Recife e radicada no Rio de Janeiro, nunca perdeu o gingado e o
sotaque nordestino, mas somou a eles seu timbre forte e paixão pelos ritmos eletrônicos.

Como um diário recheado de desabafos ácidos, as letras de Duda Beat dão voz a uma jovem
mulher romântica que não consegue se adaptar à fluidez dos relacionamentos
contemporâneos. Engana-se quem pensa que o álbum faz apologia da amargura – o lamento
transformado em arte é o caminho pra a superação e o empoderamento.

Além do amor, o humor que ela tem para dar transborda em todas as faixas. Ela chora de
solidão (Back to Bad), ri de si mesma (Bédi Beat), experimenta o
sexo descompromissado (Bixinho), faz gozação da noite cool do Rio (Ninguém Dança) e
assume que nenhum amor é grande o bastante pra ela (Todo Carinho).

A mistura de gêneros musicais como o Tecnobrega, o Pop, o Axé e o Dub resultam em um
álbum com personalidade, que vem para dar o tiro de misericórdia e fechar a porta na cara de
quem fez por merecer. Como diz a cantora sobre seus amores pregressos: “se queriam doces
declarações de amor, deveriam ter se comportado melhor”.

A estreia musical de Duda Beat começou a ser desenhada dois anos atrás, quando ela
levou suas letras e melodias para a casa do amigo de infância e produtor musical
Tomás Tróia. Ele não teve dúvidas de que tinha em mãos um álbum completo e começou a
produzir as faixas com ela. O que era tristeza virou festa e arte, o que era dor de cotovelo virou
um romance entre Duda e Tomás. A página estava virada.

“A minha música foi uma forma de me curar e de extravasar, mas ao final do processo
descobri que ela poderia falar com todas as pessoas que sofrem por amor, que amam e são
rejeitadas e que não se encaixam no mundo moderno dos relacionamentos fugazes”, reflete
Duda. “Confesso que tornar pública a minha vida, dessa forma, dá um frio da barriga, mas
quero que outras pessoas se sintam inspiradas por isso de alguma forma”, conta ela.

Usando a tristeza como força-motriz para a alegria, “Sinto Muito”contou com a produção de
Tróia e uma equipe de grandes nomes da música carioca na parte técnica. O álbum teve
produção adicional de Lux Ferreira e Patrick Laplan. A mixagem ficou a cargo de Diogo
Strausz e Pedro Garcia, esse último que também assina a masterização.“Sinto Muito” está
desde 27 de abril em todas as plataformas digitais, somando mais de 4 milhões de plays. A
música Bixinho, hit do álbum, já bateu 1 milhão de streams no Spotify ficou por algumas
semanas no top 5 da lista 50 virais do Brasil no Spotify.

A cantora já se apresentou em várias casas do Rio de Janeiro, no Festival Transborda (BH), no
Meca Brennand (PE), Festival Mada (RN), lotou a Casa Natura Musical (SP) e abriu para o
“Bloco Tarado ni Você”, com Caetano Veloso, na Virada Cultural de SP, cantando para um
público de mais de 15 mil pessoas. Nos próximos meses, Duda estará nos festivais Coquetel
Molotov (PE), Feira Noise (BA), Festival Satélite (DF), Psica Festival (PA) entre outros.
Duda é indicada como artista revelação ao prêmio Women´s Music Award (Vevo), que
acontecerá dia 4 de dezembro em São Paulo.

 

Letrux

Foto: Reprodução/Internet

Letícia Novaes, cantora, compositora, atriz, escritora e multi-faces ou apenas LETRUX. Em 2017 lançou seu primeiro disco solo "Letrux em Noite de Climão" (Joia Moderna), que se tornou o grande case do cenário da música independente brasileira, conquistando uma legião de fãs e novos olhares para tantas expressões e artes de Letícia-Letrux.

O disco foi inserido em várias listas de "Melhores Discos do Ano de 2017" e eleito por vários críticos, como o grande lançamento do ano, rendendo prêmios no Prêmio Multishow, Women Music Event e revista Bravo!.
O "Climão" não virou somente um disco mas também um estado de espírito na cena indie-pop nacional e os shows se tornaram catarse por onde passaram.

Com um pouco mais de um ano de vida, Letrux já rodou pelas principais capitais e festivais do país, como SIM SP (SP), Guaiamum Treloso (PE), Maloca Dragão (CE), MECAInhotim (MG), Queremos! (RJ), Vaca Amarela (GO), MECABrennand (PE), Popload Festival (SP), Festival Mulheres do Mundo - WOW (RJ); Além de uma breve passagem em forma de "Climinha" por Lisboa, Portugal.

 

Carne Doce

Foto: Reprodução/Internet

Fundada em Goiânia (GO), em 2013, pela cantora e compositora Salma Jô e o guitarrista Macloys Aquino, Carne Doce é hoje uma das mais importantes bandas do pop alternativo brasileiro. Formado também por Aderson Maia (baixo) e João Victor Santana (guitarra e teclados), o grupo teve o primeiro disco, autointitulado "Carne Doce", nas listas de melhores em 2014, marca ampliada dois anos depois com o LP "Princesa", um dos mais elogiados lançamentos nacionais de 2016. Com suporte do edital Natura Musical, o quarteto gravou em 2018 "Tônus", terceiro álbum, novamente com forte repercussão. No show de "Tônus", a apresentação explosiva e sensual do Carne Doce, que desde a origem tem passados pelos principais festivais do Brasil, ganha em performance e contemplação - sucesso que é consequência do alcance das novas músicas, da profundidade das letras e do instrumental etéreo e inovador da banda.

 

Veja o poster oficial:

Imagem: Site oficial Lollapalooza Brasil

 

Datas e local

Dias 05, 06 e 07 de abril de 2019 • São Paulo

 

Ingressos

Saiba mais acessando o link oficial (atualizado) https://www.lollapaloozabr.com/tickets-2019/

 

Share this news: 
X